Hanseníase: Saúde de Belmiro Braga alerta para cuidados de prevenção e combate à doença

Comemora-se no último domingo de janeiro, o Dia Mundial da Luta Contra a Hanseníase. O assunto é lembrado também durante todo o mês, na campanha #JaneiroRoxo, que visa mobilizar a sociedade em torno da doença, antigamente conhecida como lepra. 

O objetivo da ação é chamar atenção para os sinais e sintomas da hanseníase, alertando para a importância do diagnóstico precoce a fim de evitar sequelas graves. A Secretaria de Saúde de Belmiro Braga, ao lado da Vigilância em Saúde e do PSF 1 e PSF 2, reforça essa importante campanha. 

O que é a hanseníase

A hanseníase é uma doença crônica infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, que se multiplica lentamente e pode levar de cinco a dez anos para surgirem os primeiros sinais. 

A patologia afeta principalmente os nervos periféricos e está associada a lesões na pele, como manchas esbranquiçadas ou avermelhadas, ressecamento e perda de sensibilidade. 

A doença pode causar graves sequelas, caso o diagnóstico seja tardio. Entre elas, a cegueira e incapacidade física com deformidades em mãos e pés. Além disso, ainda há muito preconceito com aqueles que desenvolvem a doença.

O diagnóstico é feito com exame físico, teste de sensibilidade (térmico, doloroso e tátil) e exames laboratoriais específicos.

Hanseníase tem cura

O SUS possui estratégias para enfrentar a doença, como a detecção precoce de casos e teste rápido. O tratamento é de início imediato assim como a avaliação de contatos. 

O tratamento farmacológico da hanseníase associa três fármacos. O esquema terapêutico deve ser usado por um período que pode durar até 12 meses. O protocolo clínico ainda inclui um teste para detecção de resistência a antimicrobianos. Após as primeiras doses, o paciente já não transmite mais a doença. 

Porém, é necessário concluir adequadamente o tratamento para que ocorra a cura e para evitar o retorno da doença, novas contaminações e resistência a antimicrobianos.

Doença no Brasil e em Belmiro Braga

De acordo com o Ministério da Saúde, embora com números em queda, o Brasil é o segundo no mundo em detecção de casos, ficando somente atrás da Índia. Em 2020, foram 17.979 novos registros, contra 28.660 em 2018. 

Embora não haja registro de casos em Belmiro Braga, órgãos de saúde e população precisam estar sempre atentos. 

NOTA: Fotos do post foram retiradas da internet.

Pular para o conteúdo